O que é Bitcoin

Imagine que você queira transferir dinheiro para alguém que mora fora do Brasil. Logo começa a pensar em bancos, casas de câmbio, contratos, taxas enormes, impostos abusivos… não seria muito mais fácil pagar uma simples taxa, ao invés de passar por todo esse processo caro e burocrático? É exatamente isso que o Bitcoin procura resolver.

Tudo muda muito rápido. Algo que a 5 anos atrás era uma tecnologia revolucionária hoje pode ser algo obsoleto.

Basta procurar um pouco no google que você encontra notícias incríveis sobre tecnologias que estão sendo desenvolvidas e que poderão alterar completamente a nossa forma de viver.

Imagine quando chegarmos a marte. Quando tivermos robôs que respondem ao nosso pensamento. Quando enviar dinheiro para aquele seu parente que mora no Japão for tão simples quanto pagar pelas frutas da feira aí perto da sua casa.

É assim que caminhamos para o futuro. Algumas coisas podem demorar, outras já são realidade. Transferir dinheiro para pessoas do outro lado do mundo de forma rápida e barata já é uma realidade.

O que é Bitcoin?

Já pensou como seria você entregar dinheiro em espécie para uma pessoa que está a milhares de quilômetros de distância de você?

De uma forma simples, o Bitcoin faz exatamente isso. Ele procura substituir o dinheiro em espécie.

Isso mesmo

Essas notas de dez, vinte ou cinquenta reais que você tem na sua carteira.

A inovação do Bitcoin parte de uma simples vontade: eliminar intermediários.

O que seria intermediários nesse caso?

Se você tem dinheiro na sua conta corrente, o dinheiro não está necessariamente em sua posse. Você conta com um intermediário (um banco, por exemplo) que guarda esse dinheiro pra você.

Quero deixar claro que o Bitcoin tem um ponto fraco, que o difere bastante do dinheiro em espécie… você paga uma taxa para fazer a transferência, enquanto que em dinheiro não paga nada.

Um dos pontos fortes é que quando você detém Bitcoins, você é o único e exclusivo dono dessa moeda, sem intermediários. Funciona da mesma forma que o dinheiro na sua carteira.

O dinheiro é seu. Só você pode mexer nele (a não ser que você seja roubado, lógico).

Você também tem uma carteira própria para guardar seus Bitcoins que só você movimenta (que pode ser roubado também, por hackers).

No momento que é efetuado um pagamento em dinheiro vivo, essa transação é irreversível. Você abriu sua carteira, pegou seu dinheiro e deu na mão de outra pessoa em troca de um produto, serviço ou caridade.

Adivinha só: o Bitcoin é a mesma coisa. Você faz a transferência para uma pessoa que você não precisa saber o nome completo, nem o CPF, nem onde ela mora, nem nada.

Esse é a principal função do Bitcoin.

Um ponto importante aqui: deixar claro que Bitcoin não é um investimento.

Assim como comprar dólar não é um investimento e sim uma operação de câmbio, comprar Bitcoin não é investir.

Se você quer investir mesmo é melhor você procurar opções como o mercado de ações, os fundos de investimentos imobiliários e as outras opções.

Mas vale a pena lembrar que é importante você diversificar suas aplicações, e sempre diversificar da maneira certa.

 

E o Bitcoin é somente uma moeda em um mercado com milhares de outras. Esse universo de moedas digitais recebem o nome de criptomoedas.

Agora, se acabei de falar que existem outras milhares de “moedas digitas” porque só surgem notícias sobre Bitcoins?

Ouvimos novidades somente sobre os Bitcoins, mesmo que ela não tenha sido a primeira moeda digital criada. Qual o motivo disso?

O motivo de o Bitcoin ter dado certo

Existiram algumas outras moedas antes da criação do Bitcoin.

Porém, as moedas tinha diversos problemas. Um dos maiores é que sendo um arquivo normal de computador, não tinha como você garantir que não poderia ser duplicado esse arquivo.

Imagine enviar um e-mail para um colega seu. Quando você coloca algum anexo no e-mail, seu colega vai receber o arquivo enviado, mas continua uma outra cópia no seu computador.

Esse problema era gravíssimo. Qual era a solução? Existia um intermediário fazendo o controle de todos os arquivos enviados.

Não mudava muita coisa de fazer uma transferência de um banco para outro. Para revolucionar de verdade, era preciso eliminar de vez qualquer tipo de intermediário.

E foi isso que o Bitcoin conseguiu. Foi a primeira moeda digital com o controle descentralizado. Não existe um intermediário controlando tudo. Os usuários do sistema fazem o próprio controle.

Não há um local que centraliza e guarda todas as informações. É tudo descentralizado, feito através de criptografia e do sistema p2p (usuário para usuário, numa tradução livre).

Nesse momento, ela deixou de ser chamada de moeda digital e passou a ser chamada de criptomoeda.

Porém, existe ainda um momento que dependemos de um terceiro.

O único momento onde contamos com ajuda para fazer a transação dessas moedas é no momento de transferir de uma carteira para outra.

Quando você dá uma ordem para transferir o valor que você tem na sua carteira de Bitcoins para outra, precisa de uma pessoa fazendo esse processo manualmente, para deixar arquivado que a transação saiu de carteira X e foi para carteira Y.

Como eu disse, são os próprios usuários que controlam o sistema. Existe milhares de pessoas que ficam fazendo essa troca de Bitcoins.

Eles ganham uma pequena parte da transferência para esse serviço e tem a obrigação de registar a troca (essa é a taxa que comentei lá em cima).

Essas pessoas são chamadas de mineradores.

O interessante aqui é que mesmo o Bitcoin sendo revolucionário ele ainda deixa espaço para uma nova criptomoeda que venha a eliminar totalmente essas taxas de mineradores.

Sempre tem espaço para melhorar.

Ainda que exista esse valor a pagar, é muito menor que pagar as taxas de câmbio. E a burocracia é infinitamente menor.

É claro que nada é um mar de rosas. Toda novidade tem pontos cegos e que podem ser melhorados. Neste início surge milhares de dúvidas

“E se um desses mineradores acabar pegando os Bitcoins que enviei ao meu cunhado na China???”

“E se o dinheiro da minha carteira simplesmente sumir, o que fazer?”

Os Perigos de Comprar Bitcoin

Existe sim um grande problema quando compramos Bitcoins: a falta de regulamentação.

Se você fizer uma transferência da sua conta no banco para um outro banco e acontecer algum problema, o Banco Central poderá intervir e saber onde que foi o problema.

Nas transferências entre Bitcoins isso não é possível.

Se em algum momento você efetuar uma transferência de Bitcoin e ela simplesmente “sumir”, não tem a quem recorrer.

Por mais que o sistema de transferência seja altamente seguro e algo desse tipo ser extremamente raro e uma total exceção.

Pode ser que você veja algumas notícias ou pessoas comentando sobre sumiço de Bitcoins, mas na maioria dos casos são pessoas que fizeram a operação errada.

É fundamental confirmar se os dados que você colocou estão 100% corretos, exatamente para que não ocorra esses problemas operacionais.

Esse é o principal motivo que eu indique que você não comprometa muito dinheiro com Bitcoin por enquanto.

Essa falta de regularização pode fazer a moeda deixar de existir do dia pra noite.

Até porque é algo totalmente revolucionário, que vai fazer muitas instituições e até países poderosos perderem dinheiro.

O Bitcoin tá enfrentando e vai enfrentar brigas feias com todo o sistema monetário mundial.

Nisso podem surgir decisões drásticas que não temos noção de como adivinhar ou do que esperar.

Outro ponto que escuto bastante é o seguinte:

“Alguns hackers que roubam dados e informações de empresas ou pessoas sempre pedem o pagamento em Bitcoins. Isso não pode ser seguro, se os hackers pedem pra receber em Bitcoins isso deve ser coisa de criminoso”.

Pare e pense o seguinte: se um ladrão sequestra uma pessoa e pede para receber o pagamento do resgate em dinheiro vivo, o problema é o dinheiro?

Não faz sentido nenhum, né.

Isso é simplesmente um mito, mas algumas pessoas ficam receosas.

Se você tá ciente dos riscos e quer comprar, vamos lá.

Como Comprar Bitcoins

Comprar Bitcoin é algo simples.

O primeiro passo é você abrir conta em uma exchange.

Exchange, pra quem já está acostumado com o termo, é o equivalente a uma corretora.

As maiores e mais confiáveis exchanges no Brasil são: Mercado Bitcoin, Foxbit e BitcoinToYou.

Escolha uma delas (ou qualquer outra exchange que existe aqui no Brasil). Recomendaria a Foxbit pelo baixo custo de depósito e retirada.

Faça o seu cadastro, coloque todos as opções de segurança e siga o passo a passo para fazer o primeiro depósito.

É realmente muito simples, é bem parecido de fazer um cadastro num site de compras qualquer. Fazer a transferência também não tem nenhum segredo, basta seguir o que eles informarem.

Após ter o dinheiro na conta da exchange, você precisa enviar a ordem de compra de Bitcoin na corretora. A própria corretora vai ter um passo a passo e uma explicação.

Algumas pessoas vão se importar muito com o preço de compra no Bitcoin. Meu ponto de vista é que não se preocupe muito com o valor da unidade do Bitcoin.

Simplesmente mande a ordem para fazer a compra na hora e ser dono de Bitcoins.

Fez a compra?

Yaaay!

Agora você tem Bitcoins.

Mas não acabou ainda.

Agora vem o passo mais importante.

Lembra que falei que o Bitcoin equivale ao seu dinheiro que está aí na sua carteira?

Pois é, você vai precisar colocar seus Bitcoins em uma carteira sua.

Os Bitcoins que você comprou na exchange são seus, mas estão guardados na carteira da exchange.

Por isso é fundamental que você tire da carteira da exchange e coloque na sua própria carteira.

Para fazer isso, é preciso primeiro criar uma carteira.

Existem diversas carteiras de Bitcoins na internet. A que eu recomendo, é a BlockChain.

Entre no site e faça o seu cadastro também. Mesma coisa do processo que você fez pra abrir a conta na exchange.

Dentro da sua conta da BlockChain (ou alguma outra carteira) você vai até a parte de “Receber” e vai ver que lá tem um “código” que nada mais é do que várias palavras.

Essa é a sua carteira. Seu endereço. É esse conjunto de letras e números que vai fazer você receber Bitcoins na sua carteira pessoal.

Ali no lado tem o botão copiar para que ele já fique no seu Ctrl + V (você também pode selecionar todo o endereço e dar o bom e velho Ctrl + C).

Após a carteira estar aberta, ativa e ter achado o endereço da sua carteira, volte na sua conta da exchange e solicite fazer uma transferencia de Bitcoins.

Dentro da sua conta, escolha a opção de transferência.

No campo que aparecer “Endereço Carteira Destino” ou algo desse tipo, você vai copiar o endereço que você copiou.

Agora é a hora também de decidir a taxa a ser paga pro minerador.

Quanto maior a taxa que você colocar, mais rápido é a transferência.

Se for movimentar um valor não muito alto (abaixo de R$ 4.000) pode colocar um valor bem baixo para o minerador.

Com isso definido, basta confirmar a transferência e aguardar chegar na sua carteira.

Agora sim, você tem Bitcoins na sua carteira pessoal!

Próximos passos do Bitcoins e das Criptomoedas

Deixando bem claro: é impossível adivinhar o futuro.

Mas a tecnologia por trás do Bitcoin criou algo extremamente incrível pra diversos mercados.

Essa tecnologia é a blockchain.

Para explicar o que é o blockchain, até poderia colocar diversos termos técnicos que nem eu entendo direito o que é. Algo muito mais voltado para a área de tecnologia e que não é o importante aqui.

Se você quer entender as partes técnicas, recomendo a leitura deste artigo.

O importante é entender o que essa tecnologia trouxe. E trouxe algo revolucionário.

O Bitcoin conseguiu acabar com o intermediário do meio do processo de transferência de dinheiro. Ele eliminou banco/corretora/exchange/casa de câmbio e fez com que as transferências acontecessem de usuário para usuário.

Esse é só o começo.

O blockchain criou leque de possibilidades de eliminar outros intermediários.

Imagine assinar um contrato e não precisar mais de um cartório para reconhecer firma.

Vai ser extraordinário essa revolução e as oportunidade que vão surgindo com essa novidade.

Tudo ainda é muito novo, muito aprendizado e muitos pontos cegos.

O mais interessante é que as oportunidades nascem exatamente nestes pontos cegos e é por isso que você deve estar atento ao que está surgindo.

Essas oportunidades podem vir através de novas criptomoedas que estão sendo lançadas diariamente no mercado. Pode ser que uma dessas seja a oportunidade de uma vida.

Acredito também que o blockchain não é algo que vai virar o mundo de cabeça pra baixo ou uma inovação tão grande como a internet, mas pode ser o primeiro passo para uma mudança tão grande quanto.

Uma das maiores autoridades da Ásia, Wei-Tek Tsai, comenta sobre o que ele acredita ser o bockchain e o que ele nos reserva pro futuro nessa entrevista que forneceu pra Gazeta do Povo.

Recomendo a leitura se quiser saber um pouco mais do que nos espera.

O certo é que tudo é muito incerto e que a única coisa que nunca muda é que tudo muda.

Grande abraço!


Gostou do artigo? Torne-se VIP da lista do Economizar e Investir agora mesmo. Só deixar seu e-mail aqui embaixo.

privacy Odeio spam tanto quanto você.

The following two tabs change content below.
Pós-graduado em finanças pela Fundação Getúlio Vargas e bacharel em Administração. Gestor Financeiro da High Stakes Academy e Consultor Financeiro Pessoal, ajudando diversas pessoas a melhorar sua vida financeira. Estudante e atuante no mercado financeiro desde 2010.

Comentários

comentários